Quaresma 2017 Quaresma 2017
Quaresma 2017 Amados irmãos e irmãs em Cristo, É Quaresma! Acompanhemos Jesus no deserto: E, então, Jesus foi conduzido pelo Espírito ao deserto… (Mt... Quaresma 2017

Quaresma 2017

Amados irmãos e irmãs em Cristo,
É Quaresma! Acompanhemos Jesus no deserto: E, então, Jesus foi conduzido pelo Espírito ao deserto… (Mt 4,1). Que se passa entre Jesus e o deserto? Entre Jesus e o silêncio? Que se passa entre Jesus e o Pai? Entre Jesus e o Espírito? Entre Jesus e Jesus? Que pensamentos humanos assolam a sua alma e que pensamentos divinos povoam o seu Ser? Não sabemos! O que sabemos é que a sua vida pública está começando, e como tudo que antecede o que Ele faz, Ele ora.
Seu tempo de vida privada terminara. Nazaré ficara para trás. Para servir a Deus, servindo aos homens, é preciso, PARTIR, DEIXAR… De agora em diante, já não possui uma casa: As raposas têm suas tocas e as aves do céu têm seus ninhos, mas o Filho do homem não tem onde repousar a cabeça (Mt 8,20). Seus familiares de agora em diante serão aqueles que fazem a vontade do seu Pai: Pois todo aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus, este é meu irmão, minha irmã e minha mãe (Mt 12,50). Já não se ocupará da oficina de seu pai José, pois suas necessidades materiais serão providas pelo próprio Deus, como ensinará mais tarde aos seus discípulos: Portanto, não vos preocupeis, dizendo: Que iremos comer? Que iremos beber? Ou ainda: Com que nos vestiremos? Pois são os pagãos que tratam de obter tudo isso; mas vosso Pai celestial sabe que necessitais de todas essas coisas. Buscai, assim, em primeiro lugar, o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas (Mt 6,31-33).
O Mal também estava no deserto. É no deserto, onde o homem se encara, frente à frente; que se erguem as maiores batalhas, muitas vezes contra os seus próprios demônios. Precisamos, nessa Quaresma, nominar e exorcizar, os que ainda teimam habitar em nós.
Ao fim dos quarenta dias, quando Jesus se encontrava exaurido pelo jejum, o Mal se corporifica. É a primeira vez que ele aparece, até então, Jesus tinha suscitado somente o aparecimento dos Anjos como no seu nascimento; de uma Virgem, toda ela santa – Maria, de um varão, todo ele justo – José…
Satanás sabia, desde o dia da sua rebelião contra o Criador, que haveria de chegar o dia, no qual se realizaria a Aliança definitiva entre Deus e os homens. O Verbo se encarnara. Era preciso, somente, esperar o momento certo para fazer-lhe uma “visitinha”. O momento aparecera, Jesus, desfalece de fome. Em todos os tempos, o homem se degrada diante das necessidades do prazer, do poder, do ter. Se “vende” até por um prato de comida, como Esáu, o filho primogênito de Isaac e Rebeca, se vendera para Jacó, seu irmão mais novo:
Um dia em que Jacó preparava um guisado, voltando Esaú fatigado do campo, disse-lhe: “Deixa-me comer um pouco dessa coisa vermelha, porque estou muito cansado.”
Jacó respondeu-lhe: “Vende-me primeiro o teu direito de primogenitura”.
“Morro de fome, que me importa o meu direito de primogenitura?”
“Jura-me, pois, agora mesmo”, tornou Jacó. Esaú jurou e vendeu o seu direito de primogenitura a Jacó.
Este deu-lhe pão e um prato de lentilhas. Esaú comeu, bebeu e depois se levantou e partiu. Foi assim que Esaú desprezou o seu direito de primogenitura (Gn 25,29-34).
Se tu és o Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pães! (Mt 4,3). Jesus compreende a intenção de Satanás. Desejava que o seu primeiro milagre fosse em seu próprio proveito, saciando a sua fome e se autossatisfazendo, responde-lhe: Nem só de pão vive o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus (Mt 4,4).
É essa uma das primeiras frases do ministério de Jesus. Ela é a base de toda a sua doutrina. Meu alimento é fazer a vontade d’Aquele que me enviou (Jo 4,34). Viver da Palavra do Pai. Essa foi a sua vida e deve ser também a nossa.
O homem não vive somente para saciar os seus desejos mais instintivos e nem tampouco para a sua autorrealização, o homem vive daquilo que dá sentido a sua vida. O que o homem mais deseja é encontrar algo pelo qual vale a pena apostar a vida, e se, assim o é, não existe nada que dê mais sentido a vida do homem que o próprio Deus, autor e princípio de toda a vida.
Por outro lado, também, não somos pedaços de carne largados num pequeno e perdido planeta, onde tudo não faz sentido nenhum, como afirmou Contardo Calligaris, psicanalista italiano. Somos imagem e semelhança de Deus. O que isso significa na prática? Que se perdemos a noção da dignidade com o qual fomos criados, seremos somente um protozoário evoluído por casualidade (darwinismo), de onde não se pode deduzir que somos livres e responsáveis; não se pode deduzir que somos iguais; e não se pode deduzir que somos pessoas e nem que temos uma dignidade inalienável. A vida humana perderá, assim, seu valor. O direito a continuar existindo não mais será determinado pelo alto valor que se dá ao homem por ser feito à imagem de Deus, mas por fatores financeiros, sociológicos e de conveniência pessoal, geralmente utilitaristas e egoístas. Em São Paulo, por exemplo, um médico declarou “Faço aborto com o mesmo respeito com que faço uma cesárea. É um procedimento tão ético como uma cauterização”. E perguntado se faria aborto em sua filha, respondeu: “Faria, se ela considerasse a gravidez inoportuna por algum motivo. Eu mesmo já fiz sete abortos de namoradas minhas que não podiam sustentar a gravidez” (A Folha de São Paulo, 29 de agosto de 1997).
A Palavra de Deus dá sentido. Ela é capaz de vencer toda tentação que procura reduzir a vida aos prazeres instantâneos, a busca da felicidade como fim último, (quase sempre em prejuízo da infelicidade de muitos), ou que procura instrumentalizá-la como a prática do aborto.
Papa Francisco, ao comentar sobre a parábola do Rico opulento e do Pobre Lázaro, na carta que nos escreveu para a Quaresma desse ano, diz que o verdadeiro problema do rico: a raiz dos seus males é não dar ouvidos à Palavra de Deus; isto levou-o a deixar de amar a Deus e, consequentemente, a desprezar o próximo. A Palavra de Deus é uma força viva, capaz de suscitar a conversão no coração dos homens e orientar de novo a pessoa para Deus.
Nessa Quaresma, retome a leitura diária e assídua da Palavra. Alimenta-te dela. Dedica, um tempinho que seja a sós, para diante dela avaliar tua vida, teu modo de proceder e de se relacionar, assim como, para retomar aquelas decisões que um dia foram feitas, diante do Senhor, mas, que com o passar dos anos acabaram ficando para trás.
Satanás insiste! Tenta ferir Jesus na segunda fraqueza humana: a vaidade.
A vaidade é muitas vezes mais forte do que a autossatisfação e do que o próprio interesse material imediato. Quem não se rende pelo “estômago”, pode render-se pelo orgulho. Somos capazes de resistir a uma prazerosa (ou dolorosa) sensação fisiológica (sexo e fome), mas, por outro lado, com que facilidade cedemos a um condicionamento psicológico (vaidade, ostentação, etc). Satanás quer atacar Jesus pelo sentimento e nenhum sentimento é mais forte do que a vaidade.
Grandes são os poderes de um Arcanjo e Satanás é um deles. Transporta Jesus à Cidade Santa, e leva-o ao pináculo do templo e lhe diz: Se tu és o Filho de Deus lança-te daqui porque está escrito; que aos anjos Deus dará ordens a teu respeito, de sorte que não te ferirás em alguma pedra (Mt 4,6).
Quanto nos é dificultoso escapar dessa cilada. Quase sempre o espírito do Mal a prepara pela boca dos amigos, dos admiradores e quem sabe até dos irmãos de comunidade:
– Parabéns, Você é o máximo! You are the best! Se você quiser pode ter o mundo aos teus pés.
Ou quando não:
– Você não precisa mais se sujeitar a isso. Separa! Diz Satã ao um dos cônjuges.
– Você pode continuar servindo a Deus sem precisar prestar contas a ninguém. Sai! Diz Satã a um religioso.
– Você pode ser leigo, mas fora da comunidade você pode fazer o que bem desejar! Diz Satã a um membro de Aliança.
– Você pode ser jovem, mas se vestir como bem quiser e frequentar os lugares que desejar! Diz Satã a um dos nossos jovens.

Não tentarás ao Senhor teu Deus (Mt 4,7). A resposta de Jesus nos mostra claramente que Satanás não pode tentar Àquele que é o seu Dominador, o Senhor, seu Deus. Satanás é criatura e não pode tentar Àquele que se despojando de toda a sua divindade, se fez humilde para nos salvar. De nada vale contra Jesus os sonhos de grandezas, os sucessos desse mundo, um número incontável de fãs. Não! Jesus não é um ídolo, um pop star, um sucesso das redes sociais.
Contra a tentação das tietagens das massas, o remédio é a vida oculta em Nazaré.
Contra a tentação da fama, o remédio é o retirar-se a sós para orar ao Pai.
Contra a tentação dos holofotes, o remédio é a Cruz.
É preciso, muitas vezes, para não sermos apanhados pelas ciladas da vaidade, agirmos com os amigos, admiradores e até irmãos de comunidade, como Jesus agiu com Pedro: Para trás de mim, Satanás! Pois não estais pensando como Deus, mas como os homens (Mc 8,33).
Nessa Quaresma, amado/a irmão/ã, toma um banho de humildade. Acomoda-te as coisas mais simples. Depois de ter feito algo bom, capaz de te projetar e arrancar elogios, diz para ti mesmo: sou apenas um humilde servo da vinha do Senhor. A Ele seja dada toda a honra e todo o mérito.
Mas Satanás não se dando por vencido e transportando Jesus ao topo de um alto monte, ataca-o pela fraqueza da ambição: Dar-te-ei tudo isto se, prostrando-se diante de mim, me adorares (Mt 4,9). Tentação do prazer (autossatisfação), tentação do ser (egolatria), tentação do ter (ambição). Satanás atira para todo lado. Apela para as maiores fraquezas do homem. Onde, tantos homens sucumbiram, Jesus, permanece de pé.
Como poderia Ele cair nessa terceira e última cilada de Satanás se sendo rico quis se fazer pobre? Conheceis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, que, sendo rico, tornou-se pobre por vossa causa, para que fosseis enriquecidos por sua pobreza (2Cor 8,9).
Aquele que ama os bens da terra mais que os bens do que do Céu, deverá dobrar os joelhos diante do Príncipe das Trevas.
Não nos vendamos meus amados irmãos e irmãs por nenhuma promessa de riqueza fácil. O que estamos vendo hoje no Brasil, e quiçá, em outros países, é o triste espetáculo dos homens de vida notória, comprados a preço de dinheiro ilícito, proveniente dos cofres públicos.
Não se venda consagrado, por lanchinhos e momentos fúteis que alguém possa te proporcionar, mesmo que seja um membro da Fraternidade.
Não venda leigo, as tuas convicções cristãs, por promessas de ascensão no trabalho ou aumento de salário.
Não se venda jovem a ninguém, só por medo da solidão e nem tampouco abra mão dos teus ideais só para contentar quem não te ama de verdade.
Como dói ver grandes ideais sendo comprados por um smartphone samsung, por uma camiseta polo da Ralph Laren, por um sapato da Manolo Blahnik, por uns segundos de prazer ao lado de quem faz promessas de amor que não poderão ser cumpridas, ou mesmo, quem sabe, comprados a preço de bagatela.
Retira-te Satanás, porque está escrito: adorarás ao Senhor teu Deus e só a Ele servirás (Mt 4,10).
Diz o Papa: O apóstolo Paulo diz que “a raiz de todos os males é a ganância do dinheiro” (1Tm 6, 10). Esta é o motivo principal da corrupção e uma fonte de invejas, contendas e suspeitas. O dinheiro pode chegar a dominar-nos até ao ponto de se tornar um ídolo tirânico. Em vez de instrumento ao nosso dispor para fazer o bem e exercer a solidariedade com os outros, o dinheiro pode-nos subjugar, a nós e ao mundo inteiro, numa lógica egoísta que não deixa espaço ao amor e dificulta a paz (Mensagem do Papa Francisco para a Quaresma de 2017).
Digamos nós também: Retira-te satanás! Nunca me aconselhes coisas vãs. É mau o que tu me ofereces, bebe tu mesmo o teu veneno!
Vencida as tentações, Satanás se retira humilhado, enquanto Jesus é servido pelos seus Anjos (Mt 4,11). É exatamente isso que acontece quando vencemos as tentações: somos consolados pelo Céu. Nosso coração se enche de paz e nossa alma de gozo inefável.
Agora, sim, Jesus pode dedicar-se ao anúncio público do Reino. Deveras, só pode anunciar o Reino do Céu, quem não se deixa seduzir pelos reinos desse mundo.
Jesus se ergue e caminha com passos firmes. Ele é o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. Um homem desce da montanha. Um Deus marcha sobre a terra. E o que Ele fará? Primeiro gritará: Fazei penitência, porque o Reino dos Céus está próximo (Mt 4,17); segundo chamará: Vinde após Mim e vos farei pescadores de homens (Mt 4,19). Se você está lendo essa carta com certeza é porque já está trilhando um caminho de conversão. Se a está lendo, é porque disse sim ao seu chamado.
É Quaresma! E como já nos dizia São Leão Magno no século V: É preciso que os cristãos sacudam a poeira do mundo. A sabedoria divina estabeleceu este tempo propício de quarenta dias, a fim de que as nossas almas se pudessem purificar, e por meio de boas obras e jejuns, expiassem as faltas de outros tempos. Inúteis seriam, porém, os nossos jejuns, se neste tempo os nossos corações se não desapegassem do pecado.

Pe. Gilson Sobreiro, pjc.

  • João Mendes da Silva

    19/03/2017 #1 Author

    É a primeira vez que acesso esta página, e, querendo Deus haverei de acessá-la muito mais. Excelente trabalho, seria muito bom que mais pessoas o lessem e divulgasse.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *